Chef Carmelita Santana

Ola, sejam todos bem-vindos.

Hoje nossa convidada é a Carmelita Santana, dona da padaria de pães artesanais Carmê.

Advogada e empreendedora, a criadora do lendário Grissini da Carmê veio conversar com a gente e contar um pouquinho da sua história.

Com o apoio de seu marido Álvaro, sua filha Gabriela e de sua equipe (Natacha, Andre, Rosaura e Mônica) ela pode transformar sua paixão em profissão. Deixando de lado o mundo do direito e mergulhando na confecção de pães artesanais.

Como despertou interesse pela gastronomia?
Desde a infância ja cozinhava com influência da minha mãe e da minha tia.

Quais foram as primeira receitas que despertaram curiosidade?
Bolo, via minha mãe fazendo e depois chamava minhas amigas pra fazer comigo em minha casa, na época eu tinha 13 ou 14 anos.

Qual receita foi seu maior desafio?
Pão. Fazer pão é muito especial, a massa precisa crescer, se não for batida no tempo certo o fermento morre, tem que controlar a temperatura e todos os detalhes.
Quando fiz a primeira vez senti muita dificuldade, era recém casada e comecei a fazer para mim e meu marido. Como eu gosto muito da cozinha, adotei o desafio e a aventura dos pães.

Sendo advogada, como foi a tomada de decisão para seguir carreira na paixão?
Quando minha filha nasceu, eu ja era advogada. Resolvi ficar em casa para cuidar dela e como sou uma pessoa muito ativa resolvi fazer o curso do Senac de panificação.
Nessas aulas conheci o Grissini, me apaixonei e fui me adaptando. Montei uma cozinha industrial em casa e assim pude conciliar o emprego e cuidar da minha filha.

Qual o maior desafio na troca de profissão?
Ser empreendedora, na epoca que comecei eu fazia por hobby. Mas resolvi me profissionalizar, cozinhar me deixa muito feliz, mas a parte da administração é o maior desafio.

Como foi o apoio das pessoas próximas?
Excelente, meus amigos me ajudaram e me motivaram muito. Inclusive a Louise Haas, que é filha de uma grande amiga, me ajudou criando a logo que uso até hoje.

Por que o lendário Grissini?
Na aula, durante o curso, vi diversas receitas. Mas quando chegou no Grissini, eu vi que era perfeito pra comercializção. Veio tipo um estalo, no começo inclusive so vendia Grissini.

Qual sua receita favorita?
Grissini, com certeza. Porque além de ser uma delícia, eu amo e serve como uma terapia pra mim. Antes de ter a loja ja vendia Grissini, fazia em casa e as vezes virava noite. Virou um grande amor.

Qual sua comida favorita?
Cozido à brasileira, com carne, costelinha e tudo que tem direito!

Por que o nome Carmê?
Foi pelo carinho da minha amiga Marcia, ela sempre me chamou assim. Somo amigas a 25 anos e na época que criei a marca quis usar o nome.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.