Sabor e Saúde


Soja pode atuar como remédio

A soja pode colaborar na melhoria da saúde e da qualidade de vida

Atualizado em 15/03/2017

O tema foi amplamente debatido no I Simpósio Brasileiro sobre os Benefícios da Soja para a Saúde Humana, promovido em abril pela Embrapa Soja. A presidente do comitê organizador, Mercedes Carrão Panizzi, pesquisadora da Embrapa Soja, diz que a soja é um dos vegetais com melhor potencial para a alimentação humana, por conter alto teor de proteína de boa qualidade. Existe em sua composição substâncias nutrientes ou não-nutrientes capazes de modular as respostas metabólicas dos indivíduos, resultando em maior proteção e estímulo à saúde. "Além de colaborar na melhoria nutricional da dieta dos brasileiros, o consumo da leguminosa pode reduzir e controlar os níveis do colesterol, prevenir vários tipos de câncer e amenizar os sintomas da menopausa". 

Nos últimos anos, vários estudos vêm evidenciando os benefícios da soja na prevenção de doenças crônico-degenerativas. No Simpósio, o diretor do Departamento de Pediatria da Universidade de Cincinnati, (EUA), Kenneth Setchell, líder na área de pesquisa de fitoestrógenos, (hormônio vegetal), mostrou que a soja pode controlar muitas doenças, nos quais haja dependência de hormônios (como o câncer de mama e a menopausa). 

Setchell enfatizou que a soja pode prevenir as doenças coronarianas, uma das principais causas de morte no mundo. "O ideal seria consumir soja diariamente, seguindo o exemplo dos japoneses. Eles ingerem cerca de 8 gramas de soja todos os dias e possuem baixos níveis de colesterol".

Durante o Simpósio, o professor Maurice Bennink, do Departamento de Ciências de Tratamento e Nutrição Humana, da Michigan State University (EUA), apresentou resultados mostrando que o consumo de soja pode reduzir o risco de desenvolvimento de câncer de cólon. Segundo ele, nos ratos que tiveram câncer induzido e foram alimentados com dieta à base de soja, houve diminuição do aparecimento de tumores. Em grupos humanos, a constatação também foi similar. "O consumo diário de soja pode reduzir em 70% os índices de câncer de próstata".

O professor Chigen Tsukamoto, da Faculdade de Agricultura da Universidade de Iwate, no Japão, abordou a composição, a concentração e as características de isoflavona na soja, composto biologicamente ativo e que possui funções terapêuticas. O cientista mostrou resultados de trabalhos, nos quais foram utilizados mecanismos para aumentar o teor de isoflavona nas variedades de soja, o que amplia o potencial terapêutico dos grãos de soja. "O consumo diário de soja é um fator chave para a promoção da saúde e conquista de vida longa", garante.

Outro destaque do evento foi o médico Álvaro Armando Carvalho, professor da Escola de Medicina da Santa Casa de Misericórdia de Vitória (ES). O médico estuda a utilização de soja na nutrição enteral, por sonda, em pacientes que não conseguem se alimentar normalmente. Segundo ele, a mistura de soja, mel, óleo, sal, água e coco tem ajudado a nutrir adequadamente os pacientes. "O valor biológico da proteína de soja é o mesmo que o da carne, com a vantagem de ser mais barata", diz Álvaro.

Durante o Simpósio, o ginecologista Kyung Koo Han, da Escola Paulista de Medicina, USP/SP, apresentou dados de seu estudo com mulheres que apresentavam sintomas clínicos e laboratoriais de climatério. As pacientes foram subdivididas em dois grupos, sendo que o primeiro recebeu doses diárias de 100 mg de isoflavona e o segundo grupo recebeu apenas placebo. "Com relação aos sintomas de menopausa avaliados, 80% das mulheres que ingeriram capsulas de isoflavona melhoraram, enquanto que no outro grupo, apenas 12,5% apresentaram resultados positivos", afirma. 

Pesquisas do mundo inteiro já confirmaram: as dietas ricas em fibras e com baixos teores de gordura saturada, aliadas a exercícios físicos a e um estilo de vida saudável, podem auxiliar no controle da obesidade e proteger contra doenças cardiovasculares, câncer, osteoporose e diabetes. 

Inúmeras pesquisas realizadas pela área médica no Japão, China, Estados Unidos e Europa comprovam cientificamente os benefícios da soja na prevenção de doenças crônicas como: 

Colesterol 

Os altos níveis de colesterol sanguíneo e do LDL-colesterol estão associados a doenças cardiovasculares, como o infarto do miocárdio e a arteriosclerose. Pesquisas da American Heart Association - AHA (Associação Americana do Coração) têm demonstrado que a ingestão de proteínas de soja reduz as taxas de LDL-colesterol. Pacientes acompanhados durante quatro semanas, por médicos da AHA, que tiveram a adição de proteínas de soja nas suas dietas - sem outra alteração - apresentaram uma redução nos níveis de LDL-colesterol em torno de 33%. Assim, a introdução de pequena quantidade de proteína de soja na dieta diária, cerca de 20g que equivalem a 50 g de grãos, suficiente para deixar o sangue e o coração em forma. 

Prevenção do câncer

Os grãos de soja contêm um composto singular denominado genisteína, também chamado de fitoestrógeno ou hormônio vegetal, que possui uma ação estrogênica moderada, que atua na prevenção de câncer relacionado com o estrogênio. Pesquisas realizadas no Japão, Estados Unidos e Europa têm mostrado que a ingestão diária de alimentos à base de soja, como tofu (queijo de soja), missô, natto e tempeh (especialidades da cozinha oriental) reduz os riscos de câncer de mama e próstata em 50%. 

A soja e seus derivados também possuem uma ação preventiva quanto aos canceres de cólon, reto, estômago e pulmão. Para que os tumores aumentem seu tamanho, é necessário o desenvolvimento de novos vasos sanguíneos. O bloqueio desse processo é visto como uma maneira potencialmente importante para controlar o câncer. A genisteína também inibe a formação desses vasos e, consequentemente, o desenvolvimento dos tumores cancerígenos. 

Osteoporose 

Com o envelhecimento, as pessoas perdem cálcio, o que resulta, muitas vezes, em osteoporose. Na menopausa, esse processo se agrava com a deficiência hormonal ovariana. Devido sua ação estrogênica, a genisteína da soja pode manter a estrutura óssea. Exames de densitometria óssea comprovam que o consumo de soja retarda a osteoporose decorrente da idade, como também reduz significativamente a perda óssea total. 

Reposição Hormonal

Isoflavona é uma nova terapia de reposição hormonal, eficaz no alívio dos sintomas da menopausa. Quando a mulher entra na menopausa, há uma redução significativa do hormônio estradiol. Isso provoca alteração da elasticidade dos vasos sanguíneos e degeneração progressiva dos tecidos acarretando sintomas como ondas de calor, suor excessivo, insônia e irritação. Isoflavona é assimilado pelo organismo humano da mesma forma que o estrógeno, com a vantagem de não apresentar efeitos colaterais. 

Diabetes e outras doenças 

As fibras de soja exercem importante papel na regulação dos níveis de glicose no sangue, pois retardam sua absorção. Essa redução na velocidade de absorção da glicose auxilia no controle de diabetes. Há evidências de que o consumo da soja tem efeito positivo no controle de outras doenças como hipertensão, litíase (cálculos biliares) e doenças renais.

Por: Ecobras




Publicidade

Publicidade



Publicidade

Publicidade