Cachaça


O prazer da degustação de cachaças

Desde os tempos mais remotos a bebida existe para dar prazer. Mas, aos que a apreciam, esse deleite só acontece quando a verdadeira essência, que só a degustação é capaz de proporcionar, é apreciada. Degustar não significa apenas beber em pequenos goles. É provar, cuidadosamente, a fim de identificar a real e legítima personalidade da cachaça.

Atualizado em 15/01/2015

Algumas características sensoriais são importantes para o processo de degustação, como a aparência, a cor, o aroma e o sabor.

Existem algumas formas de degustar uma cachaça. Forma científica, por cachacistas ou cachaçólogos (Sim! Degustadores profissionais de cachaça); "hedonística" ou mesmo simplificada. Mas, o que importa mesmo, neste artigo, é a apreciação.

Para tanto, separamos dicas de degustação de cachaça para quem aprecia essa bebida, mas não sabe como encontrar o prazer, por ela proporcionado, a partir de uma análise sensorial.

A primeira dica importante é de cunho social, quase lema dos chamados degustadores de plantão: "Beba pelo prazer, privilegiando a qualidade e nunca a quantidade".

VISÃO

Ler o rótulo é sempre importante. Teor alcoolico, fabricante, registro junto ao Ministério da Agricultura, além de madeira e tempo de envelhecimento, no caso de uma cachaça envelhecida.

A cor também diz muito sobre a bebida. Podem variar de branca a amarelo mais escuro ou dourado (geralmente, por causa do uso de caramelo ou melado), passando pelo amarelo claro, quando envelhecidas em barril de madeira.

A presença de ciscos no fundo da garrafa não é um bom sinal.

Agitar a cachaça para visualizar a formação de espuma na parte superior é recomendada para avaliação da bebida ainda dentro da garrafa. A espuma deve se desfazer, rapidamente.

OLFATO

O exame olfativo consiste em descobrir os aromas que caracterizam a cachaça. O primário, proveniente da cana-de-açúcar; o secundário, do processo fermentativo e o terciário, proveniente do envelhecimento. Sempre suave e delicado, nunca agressivo, com impressão de travar o paladar.

Para essa apreciação olfativa recomenda-se que se passe um pouco de cachaça na mão para sentir o odor. Para uma cachaça ser reconhecida como de qualidade, o primeiro cheiro remeterá à cana, caso contrário remeterá ao álcool. Em seguida, balance as mãos e esfregue onde passou a cachaça: o segundo cheiro deve lembrar madeira, senão, terá odor insalubre, acusando baixa qualidade da bebida.

PALADAR

O exame gustativo é a prova final. As características de estrutura, acidez, álcool e corpo são analisadas. 

A estrutura é representada pela sua adstringência, ou seja, a boa cachaça não pode transmitir travo ou amargor. A acidez é a mesma sensação das frutas cítricas, como o limão.

A cachaça não pode arranhar a garganta. Deve ser macia, aveludada. A queimação deve ser suave, não profunda. O alcool, presente em alto teor, deve aumentar o cuidado quando o sabor da cachaça for avaliado. Pois, a cachaça deve ficar por alguns segundos na boca, o que pode ocasionar dormência das papilas gustativas, mascarando outros sabores.

Outra dica importante, no caso da degustação de mais de uma cachaça, é beber um pouco de água mineral, sem cloro e gás, entre uma cachaça e outra.

"Deguste.

É como viver e amar:

Só se aprende fazendo.

Vivendo e aprendendo.

Bebendo e aprendendo."

(Marcelo Câmara)

Fotos: de Ronei Thezolin/Água de arcanjo

 

Por Rafaella Barreto



Publicidade

Publicidade



Publicidade

Publicidade